Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
16 outubro 2016
Texto de Carina Machado e Sónia Balasteiro Texto de Carina Machado e Sónia Balasteiro
O cabo dos trabalhos

​​​​​​​A gripe força os portugueses a faltar ao emprego um milhão de dias por ano. As grandes empresas preferem oferecer a vacina aos colaboradores.

Todos os anos, a gripe afecta entre dez por cento a 20% da população mundial, com elevados custos individuais e de saúde, mas também sociais e económicos associados à perda de produtividade e ao absentismo.

As faltas ao trabalho devido à gripe são contabilizadas por diversos estudos internacionais, que apontam para períodos médios de absentismo de 0,8 a 4,9 dias. Mais: após o regresso ao trabalho, são necessários, em média, mais 3,5 dias para recuperar o ritmo e a eficácia produtivos anteriores à doença.

Em Portugal, a gripe causa um milhão de dias de baixa por ano, de acordo com a Fundação Portuguesa do Pulmão. Em Espanha, a doença explica dez a 17% das baixas, informa a Unipresalud. Considerando uma duração média de cinco a sete dias, são 60 milhões de horas de trabalho perdidas para a doença todos os anos, com um custo aproximado de 215 milhões de euros. É um valor astronómico, sobretudo se tivermos em conta que traduz um desperdício, já que 70% do absentismo laboral poderia ter sido evitado pela vacina da gripe.

TAP prioriza grupos de risco
Nesta altura do ano, a TAP, maior transportadora aérea portuguesa, disponibiliza a vacina da gripe a todos os funcionários que integrem grupos de risco. Qualquer outro dos mil colaboradores que o solicite também tem acesso a esta imunização, explica o porta-voz da empresa, André Serpa Soares. Cabe à Unidade de Cuidados de Saúde (UCS) da TAP, instalada na sede, em Lisboa, identificar «os grupos de risco e proceder à emissão da receita médica para vacinação dos colaboradores que os integrem», precisa. Qualquer outro dos colaboradores que o solicite, desde que não haja contra-indicações também tem acesso a vacina da gripe é comparticipada em 50% pelo Estado, sendo os outros 50% cobertos pelo seguro de saúde da empresa.
 
Sonae dá seis mil vacinas por ano
Há 30 anos que a Sonae oferece a vacina da gripe aos funcionários. «Todos os colaboradores do grupo podem recebê-la de forma gratuita», adianta fonte da direcção de Recursos Humanos da empresa. Em média, são administradas cerca de seis mil por ano. Esta imunização «é um benefício para a saúde do colaborador e, por isso, está instituída nos procedimentos internos de Saúde Ocupacional», sublinha. É promovida através de vários canais, que explicam a sua importância, actuação e possíveis efeitos. Para a Sonae, as vantagens da vacina são evidentes: «Evita a gripe nos colaboradores. Diminui ainda a propagação do vírus no local de trabalho, aumentando a produtividade e a saúde global na empresa».
 
Mylan imuniza casal
O laboratório farmacêutico Mylan oferece a vacina da gripe a todos os funcionários e respectivos cônjuges antes da chegada do Inverno. Esta imunização justifica-se, adianta a responsável de Recursos Humanos da empresa em Portugal, Cristina Veloso, «como medida preventiva e como benefício para o colaborador». A responsável não consegue precisar até que ponto esta imunização, administrada no âmbito da Medicina do Trabalho, nas instalações da empresa, em Lisboa e no Porto, contribui para reduzir o absentismo. Sublinha, porém, que este «é bastante reduzido».
Notícias relacionadas