Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
11 fevereiro 2017
  Saúde
Texto de CEDIME Texto de CEDIME
Nariz entupido
​​​​Segredos para voltar a respirar bem.​
Há muitas causas para a congestão nasal: alergénios (pó, pêlos de animais, entre outros), infecções respiratórias virais (gripes e constipações) ou bacterianas, desvio do septo nasal, tumores benignos (pólipos nasais) e, em casos mais graves, mas menos comuns, pode ser sintoma de tumores malignos. O mau uso de descongestionantes nasais tópicos pode provocar o efeito contrário e agravar os sintomas.

A congestão nasal resulta da inflamação da mucosa nasal, podendo provocar edema (inchaço), irritação e prurido (comichão). Durante o processo inflamatório, há frequentemente um aumento da produção de secreções, designado rinorreia, que pode afectar o aparelho auditivo.

Na maioria dos casos, bastam adoptar medidas simples que ajudam a tornar as secreções mais fluídas, facilitando a expulsão:

•  Assoar o nariz regularmente, de forma suave

•  Inalar vapor de água, no mínimo dez minutos, durante o banho ou duche, ou colocando água bem quente no lavatório

•  Aplicar soro fisiológico ou soluções salinas, genericamente conhecidas por “água do mar”

•  Ingerir muitos líquidos, como água, tisanas e sopa, evitando bebidas com cafeína, pois tendem a secar a mucosa nasal

•  Dormir com a cabeça ligeiramente elevada em relação ao resto do corpo

•  Para bebés e crianças mais pequenas, pode ser útil remover o muco com um aspirador nasal


Todavia, há casos em que pode ser necessário recorrer a medicamentos:

•  Descongestionantes – actuam através da diminuição da dilatação dos vasos  sanguíneos

•  Anti-histamínicos – são usados no alívio da congestão de origem alérgica

Os descongestionantes são os mais utilizados (sprays ou gotas para aplicar directamente no nariz) e sistémica (de administração oral).

Os primeiros permitem obter bons resultados, mas merecem algumas ressalvas, para minimizar o risco de complicações, uma vez que o uso repetido pode causar irritação local e provocar intolerância (necessidade de aumentar a dose). O ideal é seguir duas regras de ouro: não ultrapassar a dose recomendada nem o tempo de tratamento (três a cinco dias).

Informe-se junto do farmacêutico sobre as medidas. Caso os sintomas persistam mais de duas semanas, acompanhados de outros, como febre alta, tosse por mais de dez dias ou muco amarelo-esverdeado, o mais indicado é consultar o médico.​​​​​​
Notícias relacionadas