Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
12 março 2016
Texto de Mário Beja Santos (Técnico de Defesa do Consumidor) Texto de Mário Beja Santos (Técnico de Defesa do Consumidor)

Muito para além dos medicamentos

​​​​​​​Já reparou que as farmácias são muito mais do que o local onde adquire os medicamentos que lhe foram prescritos pelo médico?

Tenho a certeza que sim, mas já pensou no impacto positivo que isso traz à sua vida?

Na farmácia do seu bairro medem-lhe a glicemia, a pressão arterial, ajudam-no a perceber se o colesterol está alto ou baixo ou como estão os níveis dos triglicerídeos. Se é um doente crónico, daqueles que têm de estar sempre muito bem controlados, sabe bem do que falo.

Eu valorizo muito a comodidade de um serviço próximo como a farmácia, em que não tenho de estar à espera. E ainda mais importante do que isso é o acompanhamento terapêutico que tenho do meu farmacêutico e o encaminhamento para o médico sempre que é preciso.

Na  farmácia conhecem-me. Sei que mantêm um registo actualizado dos meus problemas de saúde, dos medicamentos que tomo e de como me dou com eles. A tecnologia que utilizam para construir estas “fichas dos utentes” permitiu ao farmacêutico aconselhar-me, uma vez, a não adquirir um medicamento que me causaria alergias, e noutra vez um creme. Isso tranquiliza-me.

Vejo, por isso, como muito útil e necessário o alargamento a outro tipo de serviços. As farmácias estão não só aptas cientificamente, através dos seus profissionais altamente qualificados, mas também tecnologicamente preparadas para ir ao encontro de cuidados de saúde de que os doentes possam precisar.
 
É o caso da renovação das receitas dos doentes que têm de tomar sempre a mesma medicação. Não faz sentido ocupar o tempo do médico com procedimentos deste género, quando as farmácias o poderiam fazer. Com toda a segurança.

Esta e outras situações já são uma realidade em alguns países, com resultados positivos. Em Portugal, a tendência é também para uma ainda maior ligação dos farmacêuticos aos outros profissionais de saúde e, quanto a mim, com ganhos para todos! 
Notícias relacionadas