Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
1 agosto 2017
  Verão
Texto de Carlos Enes e Sónia Balasteiro Fotografia de Direitos Reservados Fotografia de Direitos Reservados Texto de Carlos Enes e Sónia Balasteiro
Meu querido mês de Agosto

Romarias para residentes e emigrantes.

Tags
Revista Saúda #22 Roteiro
​O Dia de Portugal é o 10 de Junho, mas é Agosto o mês mais português do calendário. Os emigrantes estão de volta a casa. As famílias ficam maiores – e mais felizes. Há 2,3 milhões de portugueses a viver no estrangeiro e a maioria gosta de vir à terra pelo menos uma vez por ano. Sonham onze meses com isso. Bem-vindos sejam – e façam sempre boa viagem.

As aldeias com nomes bonitos, como Tralhariz, Mourilhe, Salvada ou Serreta, voltam a ganhar aquela animação perdida há décadas. A todo o momento rebenta no ar um foguete, estala um porco no espeto e aquece o bailarico na praça. As festas e romarias desenrolam-se em cascata, de Norte a Sul, e transbordam alegremente para as ilhas.

Em Agosto, as tradições religiosa e pagã parecem dois bailarinos afinados, ora a dançar agarradas, ora mais afastadas – mas sem jamais se perderem de vista. O dia 15, estrategicamente colocado a meio do mês, serve de exemplo. É feriado religioso, mas também a grande festa do emigrante. De manhã há missa na igreja, para celebrar a Assunção de Nossa Senhora ao Céu, à tarde rezam a Rosinha e o Quim Barreiros no palco.

O Minho é região demarcada por festas. Uma das mais antigas é o São João D’Arga. Peregrinos de todas as idades trepam à serra, dão três voltas à capela e acabam a oferecer uma esmola ao santo e outra ao diabo, não vá o apóstolo falhar nem o chifrudo tecê-las. Por toda a região desfilam raparigas com garridos fatos antigos e o peito coberto de ouro. O traje à vianesa foi o primeiro do país a ser certificado. Vai passar a chegar às lojas com selo de autenticidade.
 
Em Viana do Castelo, os Zés Pereiras, gigantones e cabeçudos enchem as ruas de alegria há mais de duzentos anos. Em Esposende, os romeiros dão voltas à igreja com pintos pretos ao colo, passam por baixo do andor de São Bartolomeu do Mar e depois atiram-se a "furar" ondas em número ímpar. A fé leva os pescadores a organizar procissões ao mar por toda a costa. Na Senhora Aparecida, em Lousada, há andores ao ombro de 120 fiéis.  

Em Lamego, a Nossa Senhora dos Remédios é transportada num carro engalanado puxado por juntas de bois. Na região, a maior festa é a Feira de São Mateus, em Viseu, a juntar pessoas de 14 de Agosto a 21 de Setembro.

Vai uma solha em Lanhelas, uma espetada de carne na Nossa Senhora do Monte, no Funchal, um cozido das Furnas ou uma alcatra nas Festas da Praia da Vitória? Em Agosto, a gastronomia é uma prática colectiva. Então, sai mais um copo, de vinho ou champarrião. Vamos brindar, somos todos portugueses. Para quem não sabe, a família mais antiga do mundo.
Notícias relacionadas