Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
5 setembro 2016
Texto de Maria Jorge Costa Texto de Maria Jorge Costa
Portugal com os preços mais baixos da OCDE
​​​​​​​Declarações do presidente da APIFARMA ao DN.

​​​​​Portugal é um dos países da OCDE com preços mais baixos de medicamentos, relata o presidente da APIFARMA, João Almeida Lopes, em entrevista ao Diário de Notícias, tendência que se acentuou no período da Troika, com uma queda abrupta de 30%.​

Para o representante da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA), o Estado insiste em encarar a saúde como «uma despesa que é preciso controlar», ao contrário do que se passa com «os parceiros europeus, para quem os investimentos na saúde constituem um factor de desenvolvimento».

O acordo entre a APIFARMA e o Ministério da Saúde para 2016 prevê uma contribuição de 200 milhões de euros da indústria e uma despesa pública máxima de 2 mil milhões de euros, mas o representante da indústria farmacêutica alerta para a necessidade de prudência na evolução do nível da despesa, que deve ter presente os níveis de qualidade que não ponham em causa «um melhor acesso dos doentes aos medicamentos, devendo aproximar-se dos valores médios per capita da OCDE». ​

Para isso, a APIFARMA estima um reforço «nos próximos dois a três anos, de 200 a 300 milhões de euros de esforço público adicional».​​