Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
30 setembro 2016
Texto de Sónia Balasteiro Texto de Sónia Balasteiro

Genéricos permitiram tratar o dobro dos doentes na Europa

​Fármacos possibilitaram poupança de 900 mil milhões de euros em nove anos.​​

​Em nove anos os medicamentos genéricos permitiram tratar o dobro de doentes e poupar 100 mil milhões de euros anuais na Europa. Esta é uma das principais conclusões do estudo “O Papel dos Medicamentos Genéricos na Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde: Uma Perspetiva Europeia”, da consultora IMS Institute for Healthcare Informatics, apresentado esta semana num seminário promovido pela Associação Portuguesa de Medicamentos Genéricos. 

Outro estudo internacional, da Medicines for Europe, também apresentado no encontro, revelou que o uso de genéricos permitiu tratar mais doentes com hipertensão gastando o mesmo dinheiro, tratar o mesmo número de doentes com cancro da mama com menor despesa e mais doentes com depressão com um ligeiro aumento de custos. 

Com o uso destes fármacos, os ganhos são em mais acesso à saúde, poupança e na Economia: “Na Europa a indústria de genéricos criou mais de 160 mil empregos. Em Portugal existem 75 empresas e foram criados mais de 2.500 postos de trabalho”, sublinhou Pieter Dylst, da Medicines for Europe.

Hé​lder Mota Filipe, do INFARMED reafirmou, por seu lado, a vontade do governo de subir a quota de genéricos, actualmente nos 47,4%, (a média europeia é de 60%): “Queremos que os genéricos cumpram a sua função que é gerar poupança e gastar melhor. Temos um orçamento limitado e, com os genéricos, conseguimos libertar recursos para ter acesso a mais inovação.”

“A pressão sobre a economia e os sistemas de saúde continua a existir com o aumento da inovação e a maior procura de cuidados com o envelhecimento da população”, lembrou Alan Shepperd, da IMS Health, sublinhando que os genéricos são uma solução eficaz para equilibrar a equação.

Recorde-se que, em Portugal, foram feitas recentemente alterações na lei para que as farmácias recebam incentivos para dispensar os genéricos mais baratos.
Notícias relacionadas