Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
24 maio 2016
Texto de Rita Leça Fotografia de Rui Valido Fotografia de Rui Valido Texto de Rita Leça
Fátima Lopes: «O nosso corpo fala. Basta ouvi-lo»
​​​​​O corpo é o talk-show do físico, mas também das emoções de Fátima Lopes. Aos 47 anos, garante que está no auge e isso vê-se. Brilha na televisão porque aprendeu a olhar para dentro. Faz yoga, meditação e retiros. Bem-vindos ao programa surpreendente de uma mulher feliz.​

Revista Saúda - Este é o mês do seu aniversário. Como encara o avanço do tempo e da idade?
Fátima Lopes - Sou muito bem resolvida com a idade. Aliás, por norma, ando sempre desmaquilhada. É impossível parar o tempo e isso traz obviamente alterações físicas, mas é normal. Não fico a olhar para o espelho a pensar, «ai meu deus, tenho aqui esta ruga que não tinha», ou «ai este papo já está maior». Seria lutar contra uma coisa que não tem volta a dar. Prefiro ver o lado positivo, onde cada ano aprendo mais e tenho mais experiências. 
 
RS - Dizem que é a partir dos 40 que as mulheres estão…
FL - No auge!   

RS - Confirma?
FL - Confirmo! Ficamos mais serenas. As coisas começam a ser vividas de outra maneira, ficamos a saber o que é fundamental e o que é acessório, o que nos faz feliz e o que não faz. E isso é uma grande aprendizagem. 
 
RS - E que cuidados tem para se manter saudável?
FL - Sou bastante cuidadosa. Tanto com a saúde física, como com a emocional. Faço um trabalho espiritual regular, com meditação e retiros, que é fundamental para me sentir bem. Se vamos ao ginásio tratar do corpo, também temos de ir a algum lado tratar das emoções. Se o nosso corpo pode enferrujar, o nosso coração também pode. E não quero isso. Depois, faço yoga, caminhadas e tenho uma alimentação cuidada, levo sempre comida para o trabalho para ter a certeza daquilo que como. Ao nível de pele, uso os meus cremes e faço uma drenagem linfática uma vez por mês. 
 
RS - Que papel têm as farmácias nesses cuidados?
FL - Há uma farmácia, perto da minha casa, onde vou há bastante tempo. É a minha farmácia porque, realmente, há uma relação de confiança. Quando surge um problema e não falei com o médico, é lá que vou, falo e peço aconselhamento. É uma ajuda preciosa. 
KT0A0298.jpg
RS - Que serviços utiliza?
FL - A minha farmácia trabalha não só com a medicina tradicional, com também com as complementares, que gosto muito – osteopatia, homeopatia, etc. Têm excelentes profissionais. Quando tenho dúvidas sobre algum suplemento, por exemplo, vou lá, pergunto e aconselham-me. E isso reforça a confiança.

RS - Também toma suplementos?
FL - Sim, nos meus batidos diários tomo uma série de suplementos naturais, como açaí, camu camu e ervas de trigo. Também como frutos secos, sementes e fruta, tudo escolhido pela nutricionista que há dois anos me acompanha. Há uma prateleira na despesa lá de casa só para as minhas coisas: o arroz integral, as massas, os frutos secos, os leites - de arroz, soja e aveia - e os suplementos. Também no frigorífico há um espaço só para os meus alimentos. Dá trabalho, mas compensa. Além disso, tomo umas vitaminas específicas em comprimidos. 

RS - Parece muito rigorosa com a alimentação…
FL - No meu dia-a-dia faço questão de ser bastante equilibrada e é por isso que posso, quando me apetece, fazer excepções. Quando vou a um jantar, como como as outras pessoas, sobremesa e copo de vinho incluídos. E o meu corpo agradece! No dia-a-dia procuro ser equilibrada. Para isso, é preciso ter um bom profissional que nos acompanhe. Agora já sei reconhecer o que me faz bem. É uma questão de ouvirmos o nosso corpo. Até mesmo ao nível emocional. Ele fala tanto connosco que basta ouvi-lo.
RS - Há uma grande pressão para sermos sempre jovens. Como lida com isso? Sei que já lhe sugeriram fazer uma cirurgia plástica… 
FL - Disse logo que não. Foi há uns anos, uma profissional de saúde sugeriu-me tirar um pouco aqui na zona dos papinhos debaixo dos olhos, ao que respondi: «Convivo muito bem com os papinhos. Estão cá e são meus». Isto não quer dizer que, daqui a uns anos, não sinta essa necessidade. Nunca sabemos o que a nossa cabeça vai ditar. Neste momento, honestamente, não. 
 
RS - E como vê a tendência crescente para se fazer cirurgias?
FL - Há pessoas que começam a recauchutar muito cedo, o que, para mim, é reflexo de uma grande falta de auto-estima. E o amor-próprio não vem no bisturi! Prefiro gostar de mim como sou, olhar ao espelho e, apesar da passagem da idade, dizer: «Estás bonita. És bonita». No momento em que eu disser «és bonita, mas estás a precisar de um jeitinho», muito bem, vamos a isso. Neste momento, não vejo essa necessidade.
 
RS - Essa pressão está a afectar os homens, cada vez mais. Sendo mãe de um rapaz preocupa-se com isso?
FL - Tendo em conta os exemplos que ele tem em casa, nem penso nisso. As cirurgias justificam-se em alguns casos, quando faz mesmo uma grande diferença, mas quando é um retoque à procura da perfeição é preocupante. Porque a perfeição não existe. Não passo essa mensagem aos meus filhos. Sou uma figura pública, mas tenho uma vida normal. Cuido da minha imagem, mas não quero ser escrava da estética.
KT0A0348.jpg
RS - Lançou em Outubro “Viver a Vida a Amar”. Como foi escrever este livro, com um cariz mais pessoal, após ter ficado doente durante um mês, sem trabalhar?
FL - Foi mostrar quem sou e as lições que a vida me ensinou. Os pensamentos e as histórias que partilho são reais. São histórias de pessoas que conheci, tanto na minha vida pessoal, como no programa. E penso que as pessoas que me leem procuram isso. O livro não pretende dar lições a ninguém. Mas dá vida, dá normalidade às situações que aborda. Talvez seja por isso que esteja a ter um feedback tão positivo.

RS - De facto, a sua escrita ​fala muito de emoções: a importância de seguir os sonhos, a busca da felicidade, o amor, as relações entre mãe e filhos… 
FL - Porque sou assim, sou uma pessoa que vive as emoções. É esse o meu caminho. Sou muito sensível ao que se passa à minha volta e com os outros. Basta-me ouvir meia dúzia de palavras e ver quatro gestos para perceber o que se passa do lado de lá.
 
RS - E a partir daqui, quais são os planos para o futuro?
FL - Não faço planos. Procuro viver o dia-a-dia o melhor possível. Quem cuida bem do seu dia-a-dia, terá um futuro risonho. Quem vive com os olhos lá à frente, descuida o hoje e, portanto, não vai viver bem com certeza.

RS - Mas as próximas férias já estão planeadas… 
FL - Ainda não sei para onde vou, mas de certeza que grande parte das férias vão ser em Portugal. Logo vejo se para o Norte ou para o Sul. Nunca passo férias no mesmo sítio porque gosto de dar a oportunidade aos meus filhos de conhecerem lugares diferentes, para que cresçam com a noção da riqueza do nosso país.