Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
11 fevereiro 2017
  Saúde
Texto de Sónia Balasteiro Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro Texto de Sónia Balasteiro
Ambliopia escondida

​​​​​Apesar de amblíope, Rogério tem um currículo considerável em cinema, teatro e televisão. Nos castings não anuncia a incapacidade visual. 

Nos castings, Rogério nunca anuncia que é amblíope. Aos 52 anos, a doença está estabilizada nos 24% de capacidade visual. «Nunca digo, porque acho que «têm de ter a capacidade de nos receber, de nos acolher independentemente de não ver», explica. Até porque acredita que a sua incapacidade visual pode ser motivo de exclusão: «Tenho dificuldade em assumir que não vejo bem porque, se disser que não vejo, eles não me chamam». Aconteceu no filme de Edgar Pera “O Barão”, em que desempenhou o papel de empregado do barão (Nuno Melo). «Ninguém sabia que eu via mal a não ser a produção». E o próprio cineasta, que voltou a convidá-lo para a película “Delírio em Las Vedras”, sobre o Carnaval de Torres Vedras. Ambos os filmes foram difíceis, assume Rogério, porque «foram filmados no exterior». E é com a luz do dia que sente mais dificuldade. Mas conseguiu. 

«Eu quero mostrar que sou capaz, nunca deixarei de ser actor. É o que o Edgar diz: sou um actor meteorítico mas não menos importante».
 
 

Notícias relacionadas