Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
17 dezembro 2016
Texto de Rita Leça Texto de Rita Leça Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro

Analice da Silva (1943-2017): Até sempre

​​Analice correu até ao céu​ dia 23 de Fevereiro. A Revista Saúda recorda as palavras da maratonista que gostava mais de correr na montanha para estar mais perto do céu.​

A idade não parece pesar no corpo pequeno e ágil. Prestes a cumprir 73 anos neste mês de Dezembro, Analice Silva participa em maratonas,  ultramaratonas e trails pelo país fora, e não só. Já esteve em Espanha, Marrocos, Estados Unidos e planeia voltar ao Brasil, país do berço, da infância pobre, do casamento sem amor e do trabalho árduo, para cumprir um sonho: correr 230 quilómetros na praia do Rio Grande do Sul.

No ano passado, conseguiu o montante financeiro que precisava para estar na competição à hora marcada, mas encontrou um adversário maior do que ela: «O El Niño decidiu dar a cara, com muitos relâmpagos, granizo, raios e tiveram de cancelar a prova». Este ano, ainda falta o bilhete de avião. Normalmente, os amigos ajudam através de, por exemplo, uma angariação de fundos nas redes sociais. «É maçador, eles também têm a vida deles. Não gosto que estejam sempre a pagar para esta minha loucura de correr».

Uma «loucura» que começou no Rio de Janeiro, às 23h55 do dia 31 de Dezembro de 1980, quando, aos 37 anos, fumou o último cigarro. «No dia seguinte fui correr para o calçadão de Copacabana, no Rio de Janeiro, para desintoxicar os pulmões», lembra Analice e acrescenta, a sorrir: «E, até hoje, estou a desintoxicar!».

De facto, nunca mais parou. Começou com um circuito de corrida feminino no Rio de Janeiro, promovido pela Avon para celebrar os 25 anos da marca no Brasil: «Ganhei uma medalha e uma camisola de participação, e fiquei toda contente, achei que era uma grande atleta». Um ano depois já estava a correr maratonas. Hoje, gosta de provas longas e exigentes, «na montanha e de aventura», «ao frio e ao calor». Foi a «loucura de correr» que a trouxe para Portugal. «Vim apenas para fazer uma maratona em Espanha e aqui fiquei».

Analice Silva nasceu em Esperança, na Paraíba, Nordeste brasileiro, no seio de uma família pobre. Trabalhou desde cedo e, quando casou, exigiu apenas uma coisa: que não houvesse violência. Mas houve. «No primeiro empurrão eu dei o fora. E para bem longe, para não me arrepender depois». Sem saber que estava grávida, viajou de autocarro do Recife para Sul, Rio de Janeiro, a 'cidade maravilhosa' que a recebeu como o Cristo Redentor, de braços abertos. O bebé nasceu morto e Analice tomou a decisão de não ter mais filhos. Sozinha, com as poucas coisas que levara, trabalhou como empregada doméstica, de balcão, revisora de filmes numa empresa de exibição cinematográfica, entre outros. Viveu ali 25 anos até chegar a Lisboa, já atleta. Antes, voltou ao Recife e encontrou o marido, pai de dez filhos, «cada um de uma mulher diferente».​
 _MG_9481.jpg

A Esperança, desde 1961 que não volta. Nem quer voltar. «Passado é passado. Está no museu. A vida é o presente e esperar por um futuro melhor». Visita, «de vez em quando», o Rio de Janeiro, mas é em Portugal que quer ficar: «São 30 anos, não são 30 dias. Nem amarrada volto para o Brasil».

Mesmo com as exigências de uma vida árdua. Com uma pensão do Estado português, não pensa em reformar-se. «Não posso, tenho os meus compromissos. O aluguer da minha casa não é nada barato, é superior ao que ganho. Tenho de fazer alguma coisa para andar com dignidade». Trabalha como empregada doméstica, em Lisboa: «Faço tudo, limpo, engomo, cozinho, limpo vidros».

Mas a grande paixão é correr. E nunca treina. «Antigamente treinava, agora não.  Corro todas as semanas. E tudo corridas longas», admite. São as provas superiores a 50 quilómetros que fazem os olhos de Analice brilhar. E depois de tamanha exigência física, como recupera? «Vou trabalhar, que remédio!».

Já perdeu a ideia dos quilométros que fez a correr. Aos 68 anos acreditou que ia parar, que o corpo já estava cansado, mas a verdade é que continuou. E continua. E hoje sabe de cor os quilómetros que quer somar à longa conta que desistiu de fazer: depois de ter cumprido o sonho de correr os cerca de 250 quilómetros no deserto do Sahara, em Marrocos, Analice ambiciona os Alpes encantados de Mont Blanc – 170 quilómetros, numa das provas de trilhos mais exigentes do mundo – e o Tor des Géants, o "Tour dos Gigantes" – um ultra trail de 300 quilómetros por Itália.

_MG_9605.jpg

​Faça frio, calor, vento ou gelo, Analice está lá, sempre pronta para acelerar. «A corrida é como o trabalho. Você vai ficar na cama, 'chocando', quando sabe que tem de se levantar cedinho para ir trabalhar? A corrida é a mesma coisa.».

A maior prova que fez, «directa, sem ser por etapas», foram os 150 quilómetros no parque urbano de Vale de Cambra: 24 horas a correr. Destaca também a prova dos Caminhos do Tejo (146 km). Depois, o deserto do Sahara (250 km) e a Volta ao Minho (380 km), já feitos por etapas.

E, quando chega à meta, basta «continuar a andar», sem massagens ou outras terapias. Durante «pouco tempo, algumas horas,» sente «uma dor nas pernas, mas nada de alarme». Por isso, quando lhe perguntamos pelas mazelas do corpo, responde: «Até agora, Deus tem-me poupado».

Nem as artroses, nem o cansaço de um dia de trabalho a fazem parar. Veste a camisola da Associação Mundo da Corrida, que lhe patrocina as corridas sempre que pode, mas Analice não esquece a importância de ajudar os outros: «Quero fazer mais vezes a corrida contra a Esclerose Múltipla», admite.

Por vezes, é convidada para visitar lares e escolas, para inspirar jovens e graúdos com a sua história de vida. O mais importante? Passar a mensagem de que ninguém é vítima das suas circunstâncias e de que não podemos deixar que os problemas, mesmo os de saúde, nos afectem. 

​​
Notícias relacionadas