Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
30 janeiro 2017
Texto de Maria Jorge Costa Texto de Maria Jorge Costa Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro

«Noção clara dos custos»

​​​​​​Helder Mota Filipe, do INFARMED, explica que o projecto-piloto vai aferir a facilidade de acesso, a qualidade do atendimento e a satisfação dos utentes.

Conforme explicou Helder Mota Filipe, o projecto-piloto de dispensa de medicamentos anti-retrovíricos nas farmácias comunitárias tem por objectivo verificar, por comparação com as farmácias hospitalares, um conjunto de características, como a facilidade de acesso, a qualidade do atendimento farmacêutico, a satisfação dos utentes, e «obter informação que nos permita ter uma noção clara sobre os custos envolvidos. Tudo isto, garantindo a segurança da dispensa e da utilização destes medicamentos».

Trata-se de um estudo que tem por base critérios científicos, «quer na caracterização quer na escolha da amostra», diz. «Não é por acaso que é o Hospital Curry Cabral, e não é por acaso que vamos envolver 780 voluntários.  É antes porque, de acordo com a equipa científica, este hospital cumpre os requisitos para ser uma amostra significativa da oferta hospitalar, e 780 voluntários é o que se considera ser a dimensão da amostra que nos permitirá tirar conclusões robustas deste estudo».

Helder Mota Filipe, que assume a coordenação do projecto-piloto no âmbito do INFARMED, informou no âmbito do as devidas autorizações da Comissão de Ética competente e da Comissão Nacional de Protecção de Dados.

​​